Que tal imitar Jesus?

Inúmeras pessoas se aproximam timidamente ou se afastam disfarçadamente de líderes, porque veem neles a figura de um ser humano que nunca erra e, portanto, não pode ser seguido por pessoas que falham. E muitos desses líderes alimentam esse conceito, pois se comportam diante dos fracassos e das falhas humanas como quem nunca falhou. Eles agem com a severidade de alguém que nunca sequer correu o risco de falhar ou tropeçar em alguma tentação.

No entanto, o líder é alguém que é visto como um vencedor, mas ao mesmo tempo, alguém que jamais aceitaria ser seguido como quem desconhece o caminho das dores, dos obstáculos e tentações. O líder é um desenvolvedor de líderes, mas também deve ser um mentor cheio de compaixão.

Jesus, mesmo sem ter pecado, tendo descido ao ambiente da trajetória humana, oferece um tipo de ajuda que, em meio à pressão da derrota iminente, é oportuna e funciona como uma força que vem de cima para baixo. O livro de Hebreus expõe claramente esta questão: “Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém sem pecado”. (Hebreus 4.15).

Deus fez a ponte sobre o abismo e criou uma maneira de está do nosso lado para nos ensinar como chegar ao lugar que ele preparou para ser nosso. Jesus conhece o processo, ele esteve lá, ele nos compreende, ele nos oferece ajuda: “Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados” (Hebreus 2.18). E assim, “aproximemo-nos do trono da graça com toda confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade”.

Será que as pessoas podem esperar isso de nós? A ajuda de alguém que sabe o que é ser tentado? Veja bem isso, Jesus foi tentado e não caiu nas tentações que nos fazem cair. E como ele se comporta com relação a nós? Não com desprezo, indignação ou rejeição. O que ele oferece é ajuda no momento de necessidade, como alguém que sabe o que é padecer. E nós, que não somente somos tentados como qualquer outro ser humano, mas ainda caímos em tentações semelhantes? Na condição de líderes temos uma ajuda oportuna a dar? Ou uma atitude fria, excluindo da lista dos vencedores a qualquer um que falhar?

Os líderes ajudam pessoas. Eles não recebem pessoas prontas. Os líderes são chamados por Deus para compreender pessoas onde elas estão e ajudá-las a alcançar seu propósito de vida. É por isso que uma das características que deve marcar o líder é a compaixão. E isso significa o amor de Deus se movendo em direção às pessoas.

Extraído do livro “LIDERAR É PRECISO” | Manassés Guerra
Adquira o seu agora mesmo em nossa loja: www.manassesguerra.com/produto/liderar-e-preciso/

Manasses Guerra

Sobre o Autor Manasses Guerra

Manassés Guerra nasceu em Recife, Pernambuco, Casado com Kalina Lígia, Pai de Ana Luissa e Gabriel. Graduado do Centro de Treinamento Bíblico Rhema Brasil e da Escola de Ministros Rhema. Pastor da Igreja Verbo da Vida em Curitiba e Supervisor da Região Sul. Como escritor já publicou 8 livros: O Desvendar da Adoração; A Vida no Sentido de Cristo; A Festa da Redenção; Maravilhoso; Louvor, Adoração e as Coisas do Coração; Liderar é Preciso; Crônicas de Davi no Reino do Messias e Líder para Voar.